Constitucionalismo Feminista: a busca por um Estado comprometido com a Igualdade de Gênero

Feminist Constitucionalism: the demand for a State commited to Gender Equality

Autores

  • Priscilla Conti Bartolomeu Universidade Federal do Paraná (Curitiba, Paraná, Brasil)
  • Victor Sugamosto Romfeld Universidade Federal do Paraná (Curitiba, Paraná, Brasil)

DOI:

https://doi.org/10.51284/rbpj.02.pcb

Palavras-chave:

Constitucionalismo e democracia, constitucionalismo feminista, dominação masculina

Resumo

O presente artigo visa compreender a origem do constitucionalismo, suas correntes e relações com a democracia e suas crises. Além disso, pretende compreender o constitucionalismo feminista como uma nova forma de pensar o Direito, rompendo com a dominação masculina vigente. A partir de revisão bibliográfica, conclui-se que o Estado de Direito somente será igualitário se estiver fundado em uma matriz político-jurídica emancipatória e feminista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscilla Conti Bartolomeu, Universidade Federal do Paraná (Curitiba, Paraná, Brasil)

Mestranda em Direito do Estado na Universidade Federal do Paraná (Curitiba, Paraná, Brasil). Bacharela em Direito pela UFPR. Pesquisadora na área das ciências criminais vinculada ao Núcleo de Criminologia e Política Criminal NCPC-PPGD/UFPR. Integrante do Instituto Política por.de.para Mulheres. Editora da Revista da Faculdade de Direito UFPR e da Revista do Instituto Política por.de.para Mulheres. E-mail: priscillabartolomeu@gmail.comORCID iD icon0000-0003-1227-5629

Victor Sugamosto Romfeld, Universidade Federal do Paraná (Curitiba, Paraná, Brasil)

Doutorando e Mestre em Direito do Estado pela Universidade Federal do Paraná (Curitiba, Paraná, Brasil). Na pós-graduação cursou especialização em Direito Homoafetivo e Gênero, e em Direito Penal e Criminologia. Bacharel em Direito pela UFPR e pesquisador do Núcleo de Criminologia e Política Criminal NCPC-PPGD/UFPR. E-mail: victorromfeld@gmail.com  | ORCID iD icon0000-0003-2386-7080

Referências

ACKERMAN, Bruce. The new separation of powers. Harvard Law Review, Cambridge, p. 633-729, 2000. Disponível em: https://abdet.com.br/site/wp-content/uploads/2014/11/The-New-Separation-of-Powers.pdf. Acesso em: 19 fev. 2020.

AKOTIRENE, Carla. O que é Interseccionalidade? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2018.

ALBERTS, Susan; WARSHAW, Chris; WEINGAST, Barrry R. Democratization and Counter majoritarian Institutions: The Role of Power and Constitutional Design in Self-Enforcing Democracy. In: GINSBURGM, Tom. (ed.). Comparative Constitutional Design. Cambridge: University Press, 2012.

ALTERIO, Ana Micaela. Corrientes del constitucionalismo contemporáneo a debate. Problema anuario de filosofía y teoría del derecho, México, n. 8, p. 227-306, dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2007-43872014000100008&lng=es&nrm=iso. Acesso em: 10 fev. 2020.

BARBOZA, Estefânia Maria de Queiroz; DEMETRIO, André. Quando o gênero bate à porta do STF: a busca por um constitucionalismo feminista. Rev. direito GV, São Paulo, v. 15, n. 3, [e1930], 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-24322019000300204&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 18 fev. 2020.

BONAVIDES, Paulo. A evolução constitucional do Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 14, n. 40, p. 155-176, dez. 2000.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina: A condição feminina e a violência simbólica. Trad. Maria Helena Küner. 5. ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2017.

BRABO, Tânia Suely Antonelli Marcelino. Educação e democracia: O papel do movimento feminista para a igualdade de gênero na escola. Ex aequo, Vila Franca de Xira , n. 17, p. 155-165, 2008 .

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. 14. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CHUEIRI, Vera Karam de; GODOY, Miguel G.. Constitucionalismo e democracia: soberania e poder constituinte. Rev. direito GV, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 159-174, jun. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-24322010000100009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 fev. 2020.

CHUEIRI, Vera Karam de; MACEDO, José Arthur Castillo de. Teorias Constitucionais Progressistas, Backlash e Vaquejada. Sequência (Florianópolis), n. 80, p. 123-150, dez. 2018.

COLLINS, Patricia Hill. Intersectionality as Critical Social Theory. Durham: Duke University Press, 2019.

COMANDUCCI, Paolo, Formas de (neo)constitucionalismo: un análisis meta teórico. In CARBONELL, Miguel (ed.), Neoconstitucionalismo(s), Madrid, Trotta, 2003.

COSTA, Ana Alice Alcantara. O movimento feminista no Brasil: dinâmicas de uma intervenção política. Revista Gênero, Niterói, v. 5, n. 2, 2005. Disponível em: http://periodicos.uff.br/revistagenero/article/view/31137. Acesso em: 21 dez. 2019.

CRESCÊNCIO, Cíntia Lima; OLIVEIRA, Mariana Esteves de. “Constituinte pra valer tem que ter palavra de mulher”: Movimento de Mulheres do IAJES, Movimento Regional de Mulheres e a luta por democracia no Brasil. Rev. do Programa de Pós-Graduação em História da UFRGS, Porto Alegre, v. 26, 2019.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Trad. Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

DOWDLE, Michel W; WILKINSON, Michel A. On the Limits of Constitutional Liberalism: In Search of Constitutional Reflexivity. In. DOWDLE, Michel W; WILKINSON, Michel A. Constitutional Beyond Liberalism. Cambridge: University Press, 2016.

FERRAJOLI, Luigi. Passado y futuro del Estado de derecho. In: CARBONELI, Miguel. Neoconstitucionalismo. Madrid: Trotta, 2003.

FIORAVANTI, Maurizio. Constitución. de la antigüedad a nuestros días. Madrid: Trotta, 2001.

FÓRUM Brasileiro de Segurança Pública. Segurança em números. 2020. Disponível https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2020/10/infografico-2020-anuario-14-final.pdf. Acesso em: 11 jan. 2020.

FUKUYAMA, Francis. Why Is Democracy Performing So Poorly? Journal of Democracy. v. 26, n. 1, p. 10- 20, jan. 2015.

GODOY, Miguel Gualano de. Constitucionalismo e democracia: uma leitura a partir de Carlos Santiago Nino e Roberto Gargarella. Curitiba, 140p. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Paraná, 2011.

HIRSCHL, Ran; SHACHAR, Ayelet. Competing Orders? The Challenge of Religion to Modern Constitutionalism. The University of Chicago Law Review, Chicago, v. 85, p. 425, 2018. Disponível em: https://lawreview.uchicago.edu/publication/competing-orders-challenge-religion-modern-constitutionalism. Acesso em: 6 fev. 2020.

KRAMER, Larry. Democracia Deliberativa e Constitucionalismo Popular: James Madison e o. Interesse do Homem”. In: BIGONHA, Antonio Carlos; MOREIRA, Luiz. (Org.). Limites do Controle de Constitucionalidade. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

KREUZ, Leticia Regina Camargo. Constitucionalismo Feminista: Uma leitura do direito brasileiro pela democracia e igualdade. In. SALGADO, Eneida Desiree; KREUZ, Leticia Regina Camargo; BERTOTTI, Bárbara Mendonça. (Orgs.). Mulheres Por Mulheres: Memórias do I Encontro de Pesquisa Política por/de/sobre Mulheres. Porto Alegre: FI, 2018.

LACROIX, Alison L. The Ideological of American Federalism, Cambridge: Harvard Univesity Press, 2011.

MARIANO, Silvana Aparecida. O sujeito do feminismo e o pós-estruturalismo. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 483-505, dez. 2005.

MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014.

MIRANDA, Cynthia Mara. Os movimentos feministas e a construção de espaços institucionais para a garantia dos direitos das mulheres no Brasil. Seminário Nacional de Ciências Políticas, 2. NIEM/UFRGS, 2009.

PEDRO, Claudia Bragança; GUEDES, Olegna de Souza. As conquistas do movimento feminista como expressão do protagonismo social das mulheres. Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, v. 1, 2010.

PENNA, Maria Cristina Vitoriano Martines. Constitucionalismo: origem e evolução histórica. Revista Brasileira de Direito Constitucional, v. 21, n. 1, p. 149-178, 2013.

PERROT, Michelle. Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Trad. Denise Bottmann. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017.

PINTO, Céli Regina Jardim. Feminismo, história e poder. Revista de Sociologia Política., Curitiba, v. 18, n. 36, p. 15-23, jun. 2010.

PINTO, Céli Regina Jardim. Mulher e Política no Brasil Os impasses do feminismo, enquanto movimento social, face às regras do jogo da democracia representativa. Estudos Feministas, p. 256-270, 1994.

POST, Robert; SIEGEL, Reva. Constitucionalismo democrático: por una reconciliación entre Constitución y pueblo. Trad. Leonardo García Jaramillo. Buenos Aires: Sieglo Veintiuno, 2013.

SARTI, Cynthia A. Feminismo e contexto: lições do caso brasileiro. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p. 31-48, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-83332001000100003&script=sci_arttext&tlng=es. Acesso em: 19 dez. 2019.

SCHEPPELE, Kim Lane. Autocratic legalism. The University of Chicago Law Review, Chicago, v. 85, n. 2, p. 545-584, 2018.

SCHEPPELE, Kim Lane. Worst Practices and the Transnational Legal Order (Or How to Build a Constitutional ‘Democratorship’in Plain Sight). Background Paper: Wright Lecture, University of Toronto, 2016.

SOLNIT, Rebecca. A mãe de todas as perguntas: reflexões sobre os novos feminismos. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

SOUSA JUNIOR, José Geraldo de; FONSECA, Lívia Gimenes Dias da. O Constitucionalismo achado na rua–uma proposta de decolonização do Direito. Revista Direito e Práxis, v. 8, n. 4, p. 2882-2902, 2017.

TELES, Maria Amélia de Almeida. O que são direitos humanos das mulheres. São Paulo: Brasiliense, 2007.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015 – Homicídio de Mulheres no Brasil. FLACSO Brasil. Brasília, 2015.

Downloads

Publicado

2022-01-12

Como Citar

BARTOLOMEU, P. C. .; ROMFELD, V. S. . Constitucionalismo Feminista: a busca por um Estado comprometido com a Igualdade de Gênero: Feminist Constitucionalism: the demand for a State commited to Gender Equality. Revista Brasileira de Pesquisas Jurídicas (Brazilian Journal of Law Research), Avaré: Eduvale, v. 2, n. 3, p. 133-158, 2022. DOI: 10.51284/rbpj.02.pcb. Disponível em: https://ojs.eduvaleavare.com.br/index.php/rbpj/article/view/pribart2021. Acesso em: 21 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos